GOVERNANÇA DAS ÁGUAS E NEGOCIAÇÃO DE CONFLITOS: UMA ANÁLISE SOBRE O COMITÊ GUANDU (RJ)

Bianca Borges Medeiros Pavão

Resumo


O presente artigo discute os comitês de bacia hidrográfi ca enquanto fórum de negociação de confl itos hídricos. Esta discussão é embasada pelas modifi cações introduzidas com a promulgação da Lei de Águas brasileira, em 1997. O recorte espacial da pesquisa é o Comitê Guandu, localizado no estado do Rio de Janeiro, e o confl ito associado à instalação e operação de um aterro sanitário denominado CTR Santa Rosa sobre a área do Aquífero Piranema, popularmente conhecido como Aterro de Seropédica. A pesquisa foi realizada a partir de leitura de atas das reuniões do Comitê eleito e da realização de entrevistas com membros do fórum. Como principais resultados, observou-se que apesar da ampla mobilização social em torno do confl ito, a participação da sociedade civil no fórum não ocorreu de forma expressiva. Por outro lado, notou-se que o Comitê participou ativamente das discussões sobre o projeto do aterro. No entanto, os resultados de suas análises não foram amplamente contemplados no procedimento de licenciamento ambiental do mesmo, que foi conduzido em âmbito estadual. Isto se deu, pelo fato de o confl ito e o sistema de gestão hídrica estudado envolverem diversos outros agentes, que são vinculados a instâncias externas à bacia hidrográfi ca do rio Guandu.


Palavras-chave


governança hídrica, comitê de bacia hidrográfica, conflitos, Rio Guandu.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Espaço & Geografia está licenciado sob uma licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported.
Based on a work at www.lsie.unb.br. ISSN 1516-9375