AVALIAÇÃO DE SUSCEPTIBILIDADE DE RISCO À EROSÃO, UTILIZANDO AS VARIÁVEIS MORFOMÉTRICAS, PARA AS SERRAS DA PORÇÃO SUL DO MACIÇO CENTRAL DO CEARÁ / Susceptibility Risk Assessment to Erosion, using the Variable Morphometric, to the Mountain of the South portion of the Massif Central in Ceara

Alcione Moreira do Carmo, Michael Vandesteen Silva Souto, Cynthia Romariz Duarte, Pamela Sampaio Lopes, José Antônio Beltrão Sabadia

Resumo


Nas últimas décadas desastres naturais ocasionados por deslizamentos de encosta têm causado muitas mortes no Brasil. Cartas de suscetibilidade à movimentos de massa têm sido empregadas para apontar áreas suscetíveis a esses fenômenos em regiões serranas, permitindo melhor planejamento do uso e ocupação da terra. Este trabalho apresenta cartas de suscetibilidade à movimentos de massa, baseadas na análise das variáveis morfométricas, naturais e ambientais, como forma de efetuar uma avaliação multicriterial de análise de suscetibilidade. Produtos de sensores remotos (Landsat 8 e Topodata) e mapas pré-existentes (geologia, solo, vegetação) foram empregados, onde a metodologia aplicada foi desenvolvida dentro de um ambiente SIG por meio da utilização de álgebra de mapas para geração das cartas de suscetibilidade morfológica, ambiental e natural à movimentos de massa. O cálculo envolveu ponderações, onde as influências das variáveis e os pesos das unidades foram desenvolvidos e analisados por meio dos métodos Delphi e AHP. Os resultados obtidos possibilitaram a identificação de pequenas diferenças nos valores de suscetibilidades, definidos em cinco classes (Muito Baixa, Baixa, Média, Alta e Muito Alta). Essas pequenas diferenças ocorreram entre as cartas morfológica e ambiental, onde refletiram o peso da ação antrópica nos valores das influências dadas. A CASMO (Carta de Suscetibilidade Morfológica) apresentou mais diferenças entre as demais cartas, mas isso foi em função da diferença de resoluções entre os produtos analisados. Conclui-se que os métodos empregados foram eficientes para esta avaliação e que as cartas CASAM (Carta de Suscetibilidade Ambiental) e CASNA (Carta de Suscetibilidade Natural) geraram as melhores análises na escala de 1:25.000.

Texto completo:

PDF


Revista da Sociedade Brasileira de Cartografia, Geodésia, Fotogrametria e Sensoriamento Remoto - SBC | Copyright © 2010 | Todos os direitos reservados