MODELAGEM GEOESPACIAL PARA IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS VULNERÁVEIS AO CONTÁGIO POR DOENÇAS RELACIONADAS A FALTA DE SANEAMENTO: O CASO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS / Geospatial Modeling for Identifying Vulnerable Areas to Contagious Diseases Related to Lack of Basic Sanitation: the case of Metropolitan Region of Campinas

Danilo Mangaba de Camargo, Nagela Martins Souza, Téhrrie Caroline König Ferraz Pacheco, Gustavo Casteletti Alcântara, Ednelson Mariano Dota

Resumo


A acelerada urbanização pela qual os países subdesenvolvidos enfrentaram a partir da década de 1960 acarretou, à esses adensamentos populacionais, precariedade habitacional e de abastecimento de água e esgoto. Esta precariedade, por sua vez, aumentou diretamente o risco dos indivíduos contraírem doenças infectocontagiosas ou, como aqui é chamado, doenças sanitárias. No Brasil, admite-se que os investimentos em saneamento básico ainda se mostram insuficientes, de modo que a realidade aqui descrita ainda se faz presente. Por isso, partiu-se da premissa de que investimentos, para serem bem alocados, precisam levar em conta características socioterritoriais mais facilmente detectadas com a ajuda dos métodos da modelagem geoespacial em Sistemas de Informação Geográfica (SIG). A saber, este trabalho fez uso dos métodos de Análise Hierárquica do Processo (AHP) e Álgebra de Mapas, usando como recorte espacial a Região Metropolitana de Campinas (RMC) e, como dados de apoio, o Censo Demográfico de 2010. Como resultado obteve-se um mapa da região apresentando índices de vulnerabilidade da população ao contágio dessas doenças em diferentes porções do território, sendo observado o município de Campinas como o único a apresentar alta vulnerabilidade, sobretudo nas porções do território cortadas pelas rodovias Anhanguera e Bandeirantes. Além disso, a fim de verificar a consistência dos resultados, calculou-se a taxa de internação por doença infectocontagiosa em 2010 por município, de modo que os municípios de Hortolândia, Jaguariúna e Santo Antônio de Posse, que apresentaram média vulnerabilidade, mostraram maiores taxas de internação. Por outro lado, Holambra, Nova Odessa e Santa Bárbara d’Oeste, municípios de muito baixa vulnerabilidade, demonstraram taxas de internação três vezes menores que os municípios anteriormente citados.

Palavras-chave


Modelagem Geoespacial, Vulnerabilidade, Doenças Sanitárias, Sistema de Informação Geográfica, Região Metropolitana de Campinas.

Texto completo:

PDF


Revista da Sociedade Brasileira de Cartografia, Geodésia, Fotogrametria e Sensoriamento Remoto - SBC | Copyright © 2010 | Todos os direitos reservados