EFEITOS DE CINTILAÇÃO EM SÍMBOLOS DE SETAS QUE INDICAM DIREÇÃO DE MANOBRA: AVALIAÇÃO DA PREFERÊNCIA E DA CARGA MENTAL DE TRABALHO / Scintillation Eff ects in Symbols of Arrows that Indicate Maneuver Direction: Assessment of Preference and Mental Workload

Edmur Azevedo Pugliesi, Ana Paula Marques Ramos, Renan Furlan Oliveira, Vilma Mayumi Tachibana

Resumo


Os símbolos cartográficos podem ser apresentados com o emprego de variáveis estáticas e/ou variáveis de animação. O emprego de cada uma está relacionado com a informação que se pretende transmitir. Este estudo avalia mais especificamente a influência do uso de setas de direção de manobra, cintilantes e estáticas, em um mapa de Sistema de Navegação e Guia de Rota em Automóvel (SINGRA), analisando empiricamente a preferência e o índice de Carga Mental de Trabalho (CMT) subjetiva. A CMT subjetiva pode ser determinada por meio da técnica NASA-TLX, a qual consiste em um conjunto de seis escalas: Exigência Mental, Exigência Física, Exigência Temporal, Nível de Esforço, Nível de Satisfação e Nível de Frustração. A cintilação envolveu a mudança repetida de dois estados (ex.: ligado-desligado). Os efeitos de cintilação avaliados neste trabalho compreenderam diferentes combinações da frequência (número de estados por segundo) e do ciclo de repetição (dois ou cinco segundos) às setas que estiveram localizadas sobre a junção em que as manobras deveriam acontecer. Posto isso, um grupo de 30 motoristas participou de um experimento, o qual foi conduzido em um simulador de direção de baixo custo. Os resultados demonstram que os motoristas aceitam tanto setas estáticas quanto cintilantes para indicar a direção da manobra, porém a seta cintilante exige maior CMT do motorista. As setas cintilantes em mapas de SINGRA teve maior preferência por motoristas do gênero feminino ou de pessoas que tinham baixa experiência com SNGRA. Em termos de proporções, os diferentes efeitos de cintilação tiveram preferências similares; contudo, quanto mais alta a frequência de cintilação e mais longo o ciclo de repetição menor foi a aceitação. Apesar disso, a seta estática exigiu maior demanda física do que a cintilante. A partir das análises conduzidas com a CMT subjetiva, conclui-se que os SINGRA não deveriam indicar a manobra com setas cintilantes porque foram fontes de irritação, cansaço, estresse e distração, ao ponto de interferir na direção e na busca por outras informações que se apresentam no mapa. Discussões sobre os resultados e recomendações de projeto cartográfico podem servir de apoio à indústria. Maiores implicações são apresentadas e discutidas.

Texto completo:

PDF


Revista da Sociedade Brasileira de Cartografia, Geodésia, Fotogrametria e Sensoriamento Remoto - SBC | Copyright © 2010 | Todos os direitos reservados