O ESTABELECIMENTO DE PADRÕES DE REFERÊNCIA METROLÓGICA: CONTROLE E ANÁLISE DA QUALIDADE DE ESTRUTURAS GEODÉSICAS ALTIMÉTRICAS IMPLANTADAS NO CAMPUS RECIFE DA UFPE / THE ESTABLISHMENT OF STANDARDS OF METROLOGICAL MEASUREMENT: QUALITY CONTROL AND ANALYSIS OF ALTIMETRIC GEODESIC STRUCTURES IMPLEMENTED IN THE CAMPUS RECIFE OF UFPE

Ermerson de Vasconcelos Silva, Andréa de Seixas

Resumo


Este trabalho tem o objetivo de analisar Referências de Nível, que compõem a Rede Altimétrica de Alta Precisão do IBGE materializadas no Campus Recife da UFPE, verificando a sua estabilidade durante o período de um ano; de comparar os dados obtidos dessas Referências de Nível, com os fornecidos em relatórios oficiais do banco de dados geodésicos do IBGE; e de estabelecer padrões de referência metrológica dentro do Campus da UFPE. Este último a partir da implantação e análise de novas estruturas geodésicas altimétricas materializadas nos pilares e bases da Rede de Referência Cadastral (RRC) da UFPE. Neste sentido foram materializadas sete Referências de Nível com superfícies semiesféricas incrustadas nas bases dos sete pilares da RRC e sete pinos engastados nos respectivos pilares, compondo uma Rede Geodésica Altimétrica com 14 novas Referências de Nível dentro do Campus Recife distribuídas entre os Centros da Cidade Universitária. Para o levantamento das estruturas geodésicas altimétricas foi empregado um nível digital de altíssima precisão (0,3 mm por duplo quilometro nivelado) DNA-03 LEICA, tendo-se como base as normas vigentes no Brasil para o estabelecimento da rede altimétrica. As medições ocorreram em seis épocas (uma em novembro de 2015, uma em fevereiro de 2016, duas em maio de 2016 e duas em dezembro de 2016). Para esse trabalho serão consideradas as seis épocas distintas de observação das Referências de Nível da RAAP do IBGE e a primeira campanha de medição realizada, contemplando as 14 RRNN implantadas nas bases e pilares da RRC. Para o controle e análise de qualidade das estruturas geodésicas preexistentes e implantadas considerou-se o Método dos Mínimos Quadrados -modelo paramétrico, além da análise de variâncias, utilizando os testes Tukey e Sheffé. Assegurado o estado das estruturas de referência da RAAP do IBGE, na área de estudo, os dados da rede altimétrica levantada foram, então, processados e as respectivas altitudes foram determinadas e ajustadas.

Texto completo:

PDF


Revista da Sociedade Brasileira de Cartografia, Geodésia, Fotogrametria e Sensoriamento Remoto - SBC | Copyright © 2010 | Todos os direitos reservados