Transformações Geomorfológicas e Fluviais Decorrentes da Canalização do Rio Itajaí-Açu na Divisa dos Municípios de Blumenau e Gaspar (SC)

Gilberto Friedenreich dos Santos, Adilson Pinheiro

Resumo


Nos anos de 1983 e 1984, o vale do rio Itajaí foi atingido por períodos de grandes enchentes devido à intensa pluviosidade. Visando amenizar os efeitos das águas do rio Itajaí-Açu em Blumenau, realizou-se em 1986 a retificação e alargamento do canal do rio, na divisa dos municípios de Blumenau/Gaspar. Essas intervenções provocaram alterações na dinâmica geomorfológica, principalmente na morfologia da várzea e na hidrodinâmica. A análise das transformações geomorfológicas baseou-se na interpretação de fotografias aéreas de 1981 e 1993 (escala 1/8.000) e em observações e levantamentos realizados no campo. A avaliação da hidrodinâmica fluvial foi realizada pela correlação dos níveis máximos mensais das estações fluviométricas de Blumenau e Indaial, considerando os níveis registrados antes e após o alargamento do rio Itajaí-Açu. Outro processo de avaliação baseou-se no cálculo da linha de água gerada pelo alargamento da seção fluvial, obtida pela expressão de remanso. As transformações geomorfológicas geradas no canal fluvial após a dragagem são as seguintes: formação de bancos arenosos (banco lateral, cordão marginal convexo e banco de confluência), e desencadeamento dos processos de escorregamento na margem esquerda. Em relação à dinâmica fluvial, o alargamento do canal é responsável pelas seguintes transformações: aumento da velocidade de escoamento a montante da obra, que reduziu os níveis máximos mas aumentou a ação erosiva nas margens; a jusante, por sua vez, aumento dos níveis máximos assim como aumento da capacidade erosiva pelo escorregamento das margens devido às acentuadas variações do nível de água.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.