PROPOSTA DE UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS COMO SUPORTE AO PLANEJAMENTO URBANO E ORDENAMENTO TERRITORIAL / PROPOSAL OF GEOMORPHOLOGICAL UNITS AS SUPPORT FOR URBAN PLANNING AND TERRITORIAL ORDERING

Leonardo Andrade de Souza, Frederico Garcia Sobreira

Resumo


Os aspectos geológicos, geomorfológicos e hídricos sempre condicionaram de alguma forma a ocupação do ambiente. A apropriação do espaço pela sociedade evidencia a importância do relevo, ora favorável à ocupação, ora apresentando feições e processos que desencorajam a expansão da ocupação. O relevo tem um caráter restritivo configurando diferentes aptidões a determinados tipos de ocupação. Entretanto, embora o Brasil com o seu relevo tropical se caracterize por uma multiplicidade de feições singulares, poucos são os estudos visando o desenvolvimento de procedimentos e metodologias semiautomáticas que possam ser aplicadas diretamente em estudos visando a determinação da aptidão à urbanização dos terrenos. Nesse sentido, o que se propõem neste trabalho é uma abordagem que envolva a aplicação de diferentes metodologias para compartimentação topográfica da bacia hidrográfica do Ribeirão do Carmo (BHRC), sem desconsiderar as especificidades locais e com posterior proposição de classes para a separação de domínios morfológicos. Inicialmente a análise geomorfológica foi realizada pelo método heurístico contribuindo para uma primeira leitura da BHRC, bem como a separação dos domínios principais. Para uma representação mais detalhada e um melhor entendimento da morfologia da bacia elaborou-se uma segunda análise da compartimentação do relevo, complementar à primeira, baseada nas métricas da superfície. Os parâmetros morfométricos derivados utilizados nessa análise foram altimetria, declividade e curvatura. A terceira e última etapa para a compartimentação topográfica foi resultante da interpretação dos resultados alcançados nas compartimentações obtidas com os métodos heurístico e de composição colorida, principalmente em relação às frequências de amplitude e declividade por unidade morfológica, o que culminou na classificação de nove unidades morfológicas que foram utilizadas para apontar, em um primeiro momento, os terrenos com maior ou menor aptidão à urbanização de forma a contribuir para futuros planejamentos envolvendo a expansão urbana dos municípios de Ouro Preto e Mariana ao longo da bacia. A proposição metodológica proposta para a BHRC foi construída para que possa ser aplicada e/ou adaptada em qualquer outro município, bacia hidrográfica, e/ou unidade administrativa, já que as amplitudes classificadas refletem as variações locais de altimetria.


Palavras-chave


Unidades Morfológicas, Parâmetros Morfométricos, Aptidão à Urbanização

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v18i4.1235

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Revista Brasileira de Geomorfogia ­ RBG (Rev. Bras. Geomorf. ­ Online ­ ISSN: 2236­5664) | Copyright © 2010 | Todos os direitos reservados