Evidências da evolução dos sistemas de paleodrenagens na plataforma continental da região de São Sebastião (litoral norte do estado de São Paulo)

Luis Américo Conti

Resumo


Este trabalho apresenta aspectos da relação entre a evolução da paleodrenagem e evolução do nível do mar pós Ultimo Máximo Glacial (UMG) para a região da plataforma continental da região de São Sebastião, Litoral norte do Estado de São Paulo – Brasil. Para tal, foram analisados modelos topográficos de detalhe da região de Plataforma Continental a partir de Modelos Digitais de Terreno além de dados de subsuperfície obtidos a partir de linhas sísmicas de alta resolução. Dois grandes sistemas de paleodrenagens foram identificados e descritos para a área. Ambos os sistemas fluviais apresentam boas evidencias de preservação tanto em topografia de fundo (ainda que recoberto por sedimentos transgressivos marinhos) quanto em subsuperfície, associado a feições de corte e preenchimento (escavação de superfície regressiva erosiva). O conjunto de evidencias do estabelecimento de paleodrenagens foi denominado neste trabalho como Sistemas Canal/Vale (SCV). No caso da região estudada, é possível observar que os registros dos SCVs apresentam dimensões consideravelmente grandes (tamanho dos vales/canais) em relação à atual rede de drenagem costeira na área. Modelos descritos na literatura sugerem que rápidas transgressões marinhas tendem a amplificar o efeito erosivo da passagem da linha de costa e afogamento dos canais o que poderia explicar a incongruência entre as características dos sistemas hidrológicos atuais e os registros geológicos e geomorfológicos, sugerindo que os processos de subida do nível do mar pós UMG deve ter sido rápido o suficiente, na região estudada para que pequenos canais fluviais (como o Rio Juqueriquerê) tenham sido fortemente erodidos, formando feições como vales e canais escavados de dimensões consideráveis


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v10i2.130

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Geomorfogia ­ RBG (Rev. Bras. Geomorf. ­ Online ­ ISSN: 2236­5664) | Copyright © 2010 | Todos os direitos reservados