INFLUÊNCIA DE FLORESTA SECUNDÁRIA E GRAMÍNEA NA DEFLAGRAÇÃO DE DESLIZAMENTOS TRANSLACIONAIS RASOS EM NOVA FRIBURGO, RIO DE JANEIRO / Influence of secondary forest and grass on deflagration of shallow landslides in Nova Friburgo, Rio de Janeiro

Maria Clara de Oliveira Marques, Ana Luiza Coelho Netto, Anderson Mululo Sato

Resumo


A Serra do Mar apresenta ainda um dos maiores remanescentes contínuos de Mata Atlântica sendo caracterizada ao mesmo tempo pela recorrência dos movimentos de massa associados às chuvas intensas. No desastre da região serrana (RJ), mais de 3.600 deslizamentos foram deflagrados, dos quais 24,6% ocorreram em coberturas de gramíneas, enquanto 54,8% ocorreram em coberturas de florestas. Esse trabalho teve como objetivo analisar a influência dessas vegetações no controle da umidade do solo para o entendimento da deflagração dos deslizamentos nas chuvas intensas. Duas encostas foram selecionadas em Nova Friburgo (RJ) para o monitoramento da precipitação, interceptação e sucção nas profundidades de 5, 20, 50, 100, 150 e 220 cm, que também foram analisadas em relação a biomassa e comprimento de raízes grossas (> 2 mm) e finas (< 2 mm) e em relação as propriedades físicas do solo (granulometria, estabilidade de agregados e porosidade). Os resultados demonstraram diferenças expressivas de biomassa e comprimento de raízes grossas entre a floresta (1785,0 g.m-3 e 40,1 m.m-3) e a gramínea (121,2 g.m-3 e 6,4 m.m-3). A biomassa de raízes finas foi parecida entre as vegetações, porém na gramínea foram encontradas até 100 cm, enquanto na floresta até 200 cm. Em relação às propriedades físicas do solo, a principal diferença foi encontrada na maior estabilidade de agregados e porosidade na floresta, refletindo a melhor estruturação do solo pelas raízes. A interceptação florestal foi de 19% da precipitação, indicando a recuperação dessa função hidrológica. As raízes florestais contribuíram para a entrada e retira de umidade ao longo de todo o perfil, ao passo que na gramínea as profundidades de 100, 150 e 220 cm apresentaram conservação da umidade (-20 kPa) durante todo o monitoramento. Nas fortes chuvas, entretanto, ambas as vegetações favoreceram a saturação do solo (-3 kPa) que na gramínea ocorreu até 50 cm, enquanto na floresta ocorreu a partir de 100 cm.


Palavras-chave


hidrologia; deslizamentos; movimentos de massa

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v19i4.1479

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Revista Brasileira de Geomorfogia ­ RBG (Rev. Bras. Geomorf. ­ Online ­ ISSN: 2236­5664) | Copyright © 2010 | Todos os direitos reservados