MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA ABRANGIDA PELA CARTA TOPOGRÁFICA DE SANTA MARIA – RS COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL

Marilene Dias do Nascimento, Bernardo Syão Penna e Souza

Resumo


A pesquisa geomorfológica tem como propósito reconhecer e interpretar os fenômenos que tenham como expressão as formas do relevo da terra. Nesse sentido, o presente trabalho de pesquisa teve como finalidade o mapeamento e a análise geomorfológica da área abrangida pela Carta Topográfica de Santa Maria – RS, baseado na metodologia dos estudos geomorfológicos, desenvolvidos no Leste Europeu. Esses são fundamentados nas idéias de Walter Penk, nos conceitos de Morfoestrutura e Morfoescultura de Gerasimov e Mescherikov (1968) e no tratamento técnico da Taxonomia de Relevo desenvolvido por Ross (1992), para fins de planejamento ambiental. Como material de apoio utilizou-se Cartas Topográficas de Santa Maria em escalas 1:250.000 e 1:50.000, mapas geomorfológicos, geológicos, climáticos, hidrográficos e de solos do RS, imagens de satélite e os Softwares Spring e Corel Draw. A unidade morfoestrutural identificada é a Bacia Sedimentar do Paraná que corresponde ao 1º táxon. Inseridas nessa unidade foram individualizadas três unidades morfoesculturais distintas, correspondentes ao 2º táxon. Ao norte a Porção Sul dos Planaltos e Chapadas da Bacia do Paraná, ao sul, a Depressão Periférica Sul-Rio-grandense e entre essas duas o Rebordo do Planalto da Bacia do Paraná. Na Porção Sul dos Planaltos e Chapadas da Bacia do Paraná predominam as formas denudacionais (3º táxon) de superfícies planas (Dp), com topos convexos (Dc) e com topos tabulares (Dt) (4º táxon) e vertentes convexas (5º táxon). Na Depressão Periférica Sul-rio-grandense predominam as formas agradacionais de planície fluvial (Apf) e as formas denudacionais de topos convexos (Dc) e de superfícies planas (Dp) e vertentes côncavas a convexas. No Rebordo do Planalto da Bacia do Paraná, predominam as formas denudacionais, com topos convexos (Dc), com topos aguçados (Da) e em formas de Escarpas (De), com padrão de dissecação muito elevados e vertentes retilíneas a convexas. Por essa área apresentar grande heterogeneidade no que se refere à textura do relevo é muito importante o planejamento para a utilização dos recursos naturais.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v11i2.155

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Geomorfogia ­ RBG (Rev. Bras. Geomorf. ­ Online ­ ISSN: 2236­5664) | Copyright © 2010 | Todos os direitos reservados