EROSÃO, DENUDAÇÃO E EVOLUÇÃO DO RELEVO DA MÉDIA SERRA DO ESPINHAÇO MERIDIONAL, MINAS GERAIS

Marina Ribeiro Leão, Éric Andrade Rezende, André Augusto Rodrigues Salgado, Hermínio Arias Nalini Júnior

Resumo


O presente trabalho investigou a evolução do relevo da média Serra do Espinhaço Meridional (SdEM), região que delimita três das mais importantes bacias hidrográficas do sudeste brasileiro: à oeste, a do rio São Francisco e, à leste, as dos rios Doce e Jequitinhonha. Os procedimentos metodológicos basearam-se na utilização de dois tipos de análises. A primeira baseou-se em observações de campo e em análises cartográficas e visou reconhecer áreas onde os processos erosivos eram mais ativos. A segunda objetivou mensurar a atual denudação geoquímica em 16 bacias hidrográficas que se localizam nas duas vertentes da média SdEM. Os resultados demonstram que a litologia predominante – quartzito – é extremamente resistente aos processos intempéricos e desnudacionais e que o arcabouço litoestrutural controla os processos desnudacionais da área investigada. Demonstram ainda que, embora a vertente leste apresente relevo mais dissecado, fato que indica que no passado nesta vertente os processos desnudacionais eram mais intensos, é na vertente oeste que, atualmente, os processos desnudacionais geoquímicos são mais agressivos.

Palavras-chave


Serra do Espinhaço Meridional; Evolução do Relevo; Desnudação Geoquímica

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v13i2.369

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Geomorfogia ­ RBG (Rev. Bras. Geomorf. ­ Online ­ ISSN: 2236­5664) | Copyright © 2010 | Todos os direitos reservados