DINÂMICA GEOMORFOLÓGICA DA COSTA ROCHOSA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO / The geomorphology of the Rio de Janeiro Rocky Coast

Antonio Paulo Faria

Resumo


Este trabalho sugere a classificação de seis tipos de costão marinho, sete tipos de falésia, bancada e três formas de campo de blocos costeiro, de acordo com as características da geomorfologia costeira brasileira. Aponta ainda para os problemas que podem ocorrer com a ocupação e uso das faixas de lavagem das ondas, que constituem áreas de risco. A maior parte do litoral do Estado do Rio de Janeiro é formada por costões, cuja inclinação é classificada neste trabalho entre 15° e 45°. Acima deste limite é considerado falésia. Existem ainda extensos depósitos de blocos produzindo situações antagônicas: muitos foram originados por eventos catastróficos, mas posteriormente passaram a promover certa proteção à costa, por formar barreiras que dissipam a energia das ondas. Em geral, os costões marinhos nas áreas expostas às ondas de tempestades possuem inclinação média de 30° e comprimento médio de 50m. A extensão aumenta à medida que a inclinação da encosta diminui porque as ondas alcançam áreas mais distantes. Nas áreas semi expostas e protegidas, os comprimentos diminuem. No Estado foram identificadas 13 regiões costeiras distintas, entretanto, da divisa Oeste até a Ilha da Marambaia são comuns depósitos de blocos; nos municípios do Rio de Janeiro e Niterói predominam costões marinhos; entre Arraial do Cabo e Búzios, prevalecem falésias cristalinas; e entre Rio das Ostras e Macaé, o perfil do tipo bancada é o mais comum.


Palavras-chave


costa rochosa, costão marinho, falésia

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v19i1.718

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Revista Brasileira de Geomorfogia ­ RBG (Rev. Bras. Geomorf. ­ Online ­ ISSN: 2236­5664) | Copyright © 2010 | Todos os direitos reservados