É POSSÍVEL REDUZIR A TURBIDEZ DA ÁGUA EM BACIA RURAL POR MEIO DE IMPLANTAÇÃO DE CAIXAS DE INFILTRAÇÃO? / Is it possible to reduce water turbidity in rural basin through installation of infiltration boxes?

Márcia Cristina da Cunha, Edivaldo Lopes Thomaz

Resumo


As estradas rurais são fontes de sedimentos em eventos pluviométricos causando a turbidez em canais fluviais. Uma técnica comum em muitos países para mitigar esse problema é a implantação de caixas de infiltração. Portanto o presente trabalho teve por objetivo analisar a redução de turbidez após a implantação de caixas de infiltração como medida de controle de sedimento em estradas rurais da Bacia do Rio das Pedras, Guarapuava, Paraná, Brasil. No estudo empregou-se a manipulação dos dados de chuva, vazão e turbidez. Esses dados foram disponibilizados em meio digital pela estação pluviométrica (chuva), estação fluviométrica (vazão) e Companhia de Saneamento do Paraná (turbidez), instaladas no município de Guarapuava. O período analisado foi de 6 anos (2000-2005), sendo que os anos 2000, 2001 e 2002 compreende períodos antes da implantação das caixas de infiltração e os anos 2003, 2004 e 2005 compreende períodos pós implantação das caixas de infiltração. Por meios dos resultados obtidos, verificou-se que houve uma redução de turbidez de 61,5% depois da implantação das medidas de controle de sedimentos. Concluímos que essa redução na turbidez pode ser um indicativo do efeito positivo das caixas de infiltração diminuindo também o custo de tratamento de água que abastece o município segundo informações fornecidas pela Companhia de Saneamento do Paraná, SANEPAR. Contudo, a falta de manutenção das caixas de infiltração resultou na perda gradual da sua eficácia no controle do aporte de sedimentos aos corpos hídricos

Palavras-chave


Uso da terra, conservação de água, erosão em estradas

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v16i4.725

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Geomorfogia ­ RBG (Rev. Bras. Geomorf. ­ Online ­ ISSN: 2236­5664) | Copyright © 2010 | Todos os direitos reservados