ALTERAÇOES DA MORFOLOGIA EM PLANTA DE UMA PRAIA DE ENSEADA APÓS A INSTALAÇÃO DE ESTRUTURAS RÍGIDAS: O CASO DE ITAIPAVA, ESPÍRITO SANTO / Changes in beach plan form after the installation of hard structures: Itaipava case, Espírito Santo, Brazil

Nara Rodrigues Barreto, James Rafael Ulisses dos Santos, Rafael Mantovanelli, Thatyane Mônico Nascimento, Deise Thompson, Jacqueline Albino

Resumo


Praias de enseada tendem a ter sua forma em planta em equilíbrio estático quando as ondas incidentes mais frequentes são controladas pelo processo de difração em torno dos promontórios que as limitam. Este equilíbrio é interrompido com a alteração do ponto de difração, como no caso de implementação de estruturas rígidas. O artigo apresenta um estudo de caso realizado na praia de Itaipava, localizada no distrito de Itapemirim, Espírito Santo, Brasil, onde foi construído um quebra-mar com a finalidade de ampliar a capacidade de suporte portuário nesta localidade. O estudo teve como objetivo reconstituir a evolução morfológica da praia e discutir os efeitos morfodinâmicos decorrentes da implementação do quebra-mar. Os métodos utilizados incluíram a superposição de imagens aéreas na determinação da evolução da linha de costa nas últimas 4 décadas (1970-2013). A partir da aplicação do modelo parabólico de enseada baseado em Hsu e Evans (1989), da análise dos dados de ondas e de perfis de praia foi possível compreender as alterações ocorridas ao longo dessa porção do litoral. O estudo concluiu que após a construção das estruturas ocorreram significativas mudanças na planta da praia. Os resultados indicaram que a porção norte da praia, sob efeito direto das intervenções, encontrava-se em equilíbrio estático antes da intervenção, contudo agora encontra-se na condição de equilíbrio dinâmico, com intensificação da deriva longitudinal, retirada e transporte de sedimentos da porção central da praia rumo ao porto. Desta forma, tanto o recuo da porção central quanto a sedimentação na porção protegida da praia prejudicaram as atividades econômicas da região, como o turismo e a pesca. Já o setor sul manteve sua tendência à progradação. A aplicação do modelo parabólico de planta de enseadas e a análise de dados morfodinâmicos permitiram compreender como se deu o processo adaptativo, e poderiam ter sido utilizados antes da intervenção no sentido de prever as consequências.


Palavras-chave


modelo parabólico; praia de enseada; morfodinâmica praial

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v17i2.838

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Revista Brasileira de Geomorfogia ­ RBG (Rev. Bras. Geomorf. ­ Online ­ ISSN: 2236­5664) | Copyright © 2010 | Todos os direitos reservados